Chat with us, powered by LiveChat
[ Novembro 15, 2018 by clickadmin 0 Comments ]

O futuro do marketing digital numa era de conteúdos infinitos

Storytelling + Podcasting

 

Os jovens ainda ouvem rádio? Pode chamar-se rádio às novas estratégias de difusão, como os podcasts?
A arte de contar histórias, tão em voga nos dias que correm através da sua tradução inglesa, Storytelling, certamente encontrou um veículo perfeito, que fala ao ouvido de cada um.
Paula Cordeiro deu o pontapé de saída apaixonado no 2º dia de conferências que atravessou as possibilidades do digital “até ao infinito” e deixou bem claro quais são as suas pedras basilares. A adequação ao público e a criatividade.

Ao longo do segundo e preenchido dia de ClickSummit, debateu-se aquilo que, nas palavras de Eric Fulwiler, se define como “uma nova paisagem dos media”.

(aproveite para reler aqui o resumo do primeiro dia do evento)

Esta nova paisagem carece de novos métodos de abordagem.
As mensagens já não são transmitidas para as massas.
São fundamentadas em dados cuidadosamente analisados com as ferramentas corretas, adequadas a cada público, seja ele definido por perfil de consumo ou por marcadores culturais ou por outro critério pertinente.

Os consumidores mudaram, os canais mudaram, as estratégias mudaram, enfim, as empresas têm de mudar. Estar mais disponíveis, ser mais rápidas a responder e adaptar-se a uma paisagem que evolui muito depressa.

Para isso existem as ferramentas de que se falou, como novas formas de captar dados (a dark social por exemplo), ou processos de automatização que aumentam a performance.

Mas se o marketing digital é um ativo que trabalha proativamente o seu motor que é a criatividade.

Definida em termos gerais, por João Vitória, como um uso dos recursos disponíveis da forma mais engenhosa possível para obter melhores resultados, é não apenas uma forma de fazer mais com menos, como de criar valor para a empresa e chamar a atenção.

A era dos conteúdos infinitos

 

Numa era de conteúdos infinitos, na qual nos damos ao luxo de trazer o conhecimento no bolso (no smartphone), e dele sacar sempre que queremos recordar (será este um efeito nocivo das novas tecnologias, o matar o pensamento crítico e a memória?) alguma coisa, é preciso aprender depressa a separar o trigo do joio, por assim dizer.

Outro: o conteúdo partilha-se tão facilmente, que as fronteiras onde se passa para a pirataria, ou mesmo para o roubo, se tornam mais ténues.
É preciso captar a atenção para ser ouvido.
Exemplo bem-sucedido desta captação da atenção do público foi o da campanha da Control, apresentada por Patrícia Nunes Coelho e Catarina Pesta (Bang Bang Agency) na palestra que encerrou a 5ª edição do ClickSummit.

Nós por aqui andamos à procura do caminho certo para lhe trazer constantemente o que de melhor e mais relevante vai acontecendo no panorama digital do nosso país.

Obrigado por seguir desse lado.

Até breve.

AboutÉlia Teixeira

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *